fbpx

Não confunda CBS e UBS com ABS – sistemas são bem diferentes

Sopa de letras tem causando confusão, mas não se engane. O melhor sistema é o que começa com letra A – ABS

“A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem;
a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão;
a coragem, a mudá-las”

(Santo Agostinho)

Em 2018 das 62 palestras ministradas, praticamente em todas fui abordado durante ou depois para explicar a diferença dos sistemas de frenagem.

Curioso que o indagador ou pensa que é a mesma coisa ou entende que o sistema combinado é melhor que o sistema ABS.

Sensação de total impotência frente ao poder de marketing criando uma informação de forma distorcida, enaltecendo um sistema criado para baratear produção frente a adoção do sistema ABS. Do ponto de vista da segurança viária, vulgarmente é vender gato por lebre quando se fala em melhor frenagem ou melhor estabilidade na frenagem combinada sem ajuda de eletrônica. É mais difícil educar. 

A questão está muito longe da simples compreensão do leitor e consumidor, todavia, existe toda uma guerra política e de bastidores em se adotar ou não o sistema ABS, dado seu preço e se o Parlamento da Comunidade Européia é forte (643 votos a favor X 16 contra x 18 abstenções) o bastante e alicerçado em convicções técnicas, impos o que é melhor para a sociedade(desde 01/01/2016), não podemos falar o mesmo do nosso Congresso Nacional e pior, do nosso CONTRAN, especialmente, quando temos a dicotomia brasileira: grana ($$$ dos fabricantes) X interesse social. Falar em custo Brasil é mera desculpa esfarrapada, já que quem sempre paga é o consumidor no preço final do produto.

André Garcia durante demonstração de frenagem no SIPAT BRF
André Garcia durante demonstração de frenagem no SIPAT BRF
Foto: Thiago Capodanno

Sim, infelizmente a segurança tem seu preço e nem sempre o fabricante olha pelo ponto de vista de salvar vidas, mas pela monetarização de sua produção. Difícil compreender a não adoção de importante sistema, justamente quando é notório que quanto maior a produção, menor o custo.

A segurança viária e do condutor ficam em segundo plano.

A famigerada Resolução 509 do CONTRAN não atendendo questão técnica de segurança viária, torna obrigatório sistema ABS nas duas rodas só nos veículos à partir de 300cc.

Vide recentes lançamentos, onde a indústria por pura economia equipou só a roda dianteira com sistema ABS, conhecido como sistema de um canal. Talvez na cabeça de quem decidiu, não foi pensado que a roda traseira também sofre com o problema de atrito que atrelado a falta de sensibilidade do piloto, pode travar a roda e vir sofrer acidente.

Não é de hoje que defendo o sistema ABS, vide matéria publicada há mais de 6 anos, que disponibilizo em pdf: click aqui

Mas, o que são esses sistemas?

ABS – expressão alemã – Antiblockier-Bremssystem ou em inglês, a mais utilizável, Anti-lock Breaking System é um sistema que evita que a roda bloqueie ou seja travada quando acionado o pedal e ou manete, no caso da motocicleta, fortemente gerando derrapagem, deixando o veículo de duas ou mais rodas sem controle, permitindo que obstáculos sejam desviados enquanto se freia e aproveitando-se mais o atrito estático, que é maior que o atrito cinético.

Se quiser saber o que é atrito dinâmico e estático, acesse: click aqui

CBS – expressão em inglês, Combined Braking System, ele permite distribuir a frenagem, no caso da motocicleta, nas duas rodas por meio de um único comando, ou seja, quando se aciona o pedal do freio traseiro ou o manete da esquerda no caso do scooter, é acionado um pistão do sistema dianteiro. Há sistemas ainda que acionado o freio dianteiro, ele aciona o traseiro, mas hoje o mais usual é o que acionado o freio traseiro, aciona-se o dianteiro levemente.

UBS –  expressão em inglês, Unified Brake System, funciona idêntico ao CBS, com só não é hidraulico. E o nome é diferente, simplesmente, porque o CBS é marca patenteada e na grande concorrência, não há hipótese de um pagar ao outro para usar nome ou o mesmo sistema.

Teste realizado em campo de provas da Bosch
Teste realizado em campo de provas da Bosch
Foto: Divulgação Bosch

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima